Projetos

Coletivos em Movimento

Inovação comunitária e sustentabilidade urbana

O grupo Coletivos em Movimento é uma rede de iniciativas sociais trabalhando juntas pelo desenvolvimento sustentável de comunidades em Curitiba – Paraná.

Reúne 15 coletivos de diversas áreas de atuação com o objetivo de gerar acesso à oportunidades para todos, e assim, promover maior autonomia e qualidade de vida.

Inovação comunitária é:

Promover um processo colaborativo para entender a realidade local
Criar soluções inovadoras juntos
Fortalecer o senso de identidade e pertencimento
Estimular a ação coletiva para atender demandas locais
Despertar senso de poder de ação nas pessoas
Possibilitar o aprendizado e desenvolvimento individual e coletivo

Objetivos gerais:
Autonomia local
Cultura política e participação cidadã
Empoderamento pessoal
Fortalecimento das relações

Nossos princípios são:

Atuar com planejamento e foco no trabalho, na realização e na organização;
Atividades que gerem afinidades para todos e que se complementam;
Vivência e observação integral da comunidade antes da ação;
Comprometimento com a ação prática e resultados;
Incluir representantes da comunidade em todas as etapas do trabalho;
Formar lideranças locais para continuidade dos projetos;
Mobilizar a comunidade de forma contínua para os projetos e respectivas ações;
Atuar sobre um respaldo metodológico nos projetos e atividades;
Praticar a escuta ativa e a fala objetiva e significativa;
Transparência interna e externa.

Metodologia:

Aproximação das comunidades – Identificação da demanda inicial, processo de visitas e conversas (Outubro 2017)
Escuta ativa e interação – Oficinas e atividades para ouvir sonhos, entender os desafios e oportunidades locais (Novembro 2017)
Elaboração de projetos – Laboratórios de Inovação Comunitária, Parceria Vale do Pinhão (Dezembro 2017)
Prototipação – Oficinas de teste e avaliação dos projetos (Fevereiro 2018)
Mobilização da rede – Movimenta Curitiba, captação de recursos (Março 2018)
Diagnóstico comunitário – Março e Abril 2018
Implantação das etapas dos projetos – Abril a Dezembro 2018
Apoio na gestão, avaliação e monitoramento – Janeiro a Junho 2019
Suporte técnico para continuidade dos projetos – A partir de junho de 2019

https://www.facebook.com/coletivosmovimento/

 

Projeto Itupava 1299

O movimento de ocupação de espaços públicos e privados tem sido um fenômeno espontâneo como potenciais para se tornarem instrumentos urbanos que apoiem a melhoria da convivência e qualidade de vida da população. Para tanto podem ser intencionalmente desenhados de forma a gerar maior colaboração entre todos os envolvidos com atividades que gerem consciência e senso de pertencimento dos frequentadores.

Tem como objetivo apresentar o plano de ação para implementação, monitoramento e avaliação do projeto de desenvolvimento da região ordenada e sustentável dos espaços públicos do entorno do Itupava.

Para esta sendo feito um diagnóstico da região da praça Itupava, que tem como objetivo desenvolver ações participativas com usuários da praça, moradores e toda a comunidade do entorno desse espaço público, tendo em vista a melhoria do bairro como um todo.

Busca-se compreender mais profundamente os hábitos e interesses dos frequentadores e moradores da região da praça para que, assim, possamos descobrirmos juntos como promover a utilização harmônica e consciente do espaço público para todos.

Curitiba 2035

Curitiba 2035 é uma iniciativa que pretende traduzir em planos o futuro almejado pelos cidadãos, por meio de uma construção coletiva. Objetiva mobilizar diversos atores da sociedade para criar soluções sustentáveis e multifacetadas para problemas urbanos, utilizando-se para tanto de ações de curto, médio e longo prazo.

O projeto é continuação do Curitiba 2030, realizado em 2010, que definiu temáticas a serem priorizadas na agenda da cidade, visando soluções duradouras. O Curitiba 2035 ampliou o escopo da iniciativa anterior, estendendo-se a temas como planejamento, gestão urbana e segurança. As ações coordenadas visam responder demandas da própria população, que foi consultada por meio de aplicativos para a definição de estratégias.  

A metodologia empregada é a de roadmapping, um mapa do caminho, que sintetiza os passos a serem percorridos para a concretização dos objetivos, os quais envolvem empresas,  organizações não governamentais, o governo e a própria sociedade civil. Cada ator possui tarefas específicas, todas orientadas ao processo de desenvolvimento sustentável da cidade.

Nesse sentido, a participação da Sociedade Global tem lugar em ações de curto, médio e longo prazo em temas relacionados à Coexistência em uma Cidade Global, Governança e Planejamento e Gestão Urbana, com vistas a promoção de uma cidadania inclusiva, sustentável e participativa.

http://www.curitiba2035.org.br/

 

Rede Legado

O Projeto de Integração da Rede Legado visa ampliar o impacto dos empreendedores sociais que já passaram pelo Projeto Legado, bem como conectar os empreendedores que fazem parte da comunidade do Socialworking, com vistas ao fortalecimento do senso de comunidade, de rede e de ecossistema.

Quanto aos empreendedores sociais que passaram pelo Projeto Legado, a proposta é fornecer apoio contínuo através de atividades de estudo de desenvolvimento, mapeamento e análise, para que estes possam construir soluções inovadoras e sistêmicas às suas organizações, incentivando, dessa forma, a melhora contínua.  

Já no que diz respeito à comunidade do Socialworking, objetiva-se fortalecer a comunidade de empreendedores sociais, criando espaço de compartilhamento de conhecimentos e de troca de experiências. As propostas incluem encontros e fóruns de cocriação, atividades de desenvolvimento do ecossistema, além de formação e mentorias.

Nessa iniciativa, o papel da Sociedade Global é promover oficinas para os participantes das diversas edições Projeto Legado, bem como para a diretoria e os parceiros do Instituto Legado; oferecer mentoria a indivíduos e times e criar conteúdo para capacitação. Com isso, busca-se consolidar ecossistemas, construir a atuação em rede e ampliar o impacto sistêmico do empreendedorismo social na cidade.

Ecossistema Impacto Social Curitiba

O Ecossistema Impacto Social Curitiba é um projeto que visa integrar os empreendedores sociais da cidade, fortalecendo o ecossistema de apoio para somar esforços no movimento transformador massivo.

Esta integração se dará em diversas etapas, tendo início no mapeamento dos atores desenvolvedores e inclusão destes no ecossistema. Em seguida, ocorrerá o planejamento de eventos e programas conjuntos, construção de agenda e calendário comuns, bem como investigação sobre o público alvo e estágio de desenvolvimento de cada ator. Após, serão traçadas estratégias que podem incluir complementação de capacitação, criação de incubadoras e mentorias e capacitação.

O projeto teve início em 2016  e intensa atuação em 2017, especialmente no que se refere à etapa de mapeamento dos atores desenvolvedores. Em 2017 a iniciativa promoveu também o Changemakers, evento cujas atividades, palestras e workshops conectaram diferentes agentes de transformação com ênfase na temática da transversalidade.

A participação da Sociedade Global nessa iniciativa ocorre por meio da criação de conteúdos para capacitações, realização de mentoria a indivíduos e a times, bem como no próprio mapeamento do ecossistema.

 

Ecossistema de Participação Cidadã

O projeto Ecossistema de Participação Cidadã pretende promover diálogo entre a sociedade e o governo para que haja colaboração nos processos de tomada de decisão, a fim de tornar Curitiba referência em Transparência, Dados Abertos e Participação. Isto ocorrerá por meio da criação de mecanismos e instrumentos de participação, desenvolvidos por diferentes atores do sistema.

Os diferentes eixos do projeto envolvem criação de um Comitê Intersetorial, Conselhos e Centros Cidadãos, participação nas leis orçamentárias (LDO, LOA E PPA), diagnóstico da cidade por meio de indicadores, elaboração e atualização contínua do Plano de  Metas Municipal, monitoramento de processo licitatório, além de cursos de capacitação e formação. Ainda, há a Plataforma Simulador de Governo e o mecanismo de Democracia Digital.

Cada eixo é estruturado em etapas, que serão realizadas pelos diversos atores desenvolvedores, os quais abarcam OSCs, órgãos públicos, movimentos sociais, setor privado, universidades e cidadãos.