4 iniciativas de educação inovadora que podem ajudar a revolucionar o sistema estudantil brasileiro

Publicado em 7 de junho de 2017 por Equipe Sociedade Global

Hierarquia, pressão psicológica, quadro negro, carteiras enfileiradas, lição de casa e provas. Não é à toa que algumas crianças sentem-se inadequadas em sala de aula. De acordo com dados do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), um em cada quatro alunos do Ensino Fundamental abandona a escola. A alta taxa de evasão nas escolas brasileiras pode ser um grito de socorro dos próprios estudantes. Seria sinal de que nosso modo de ensino está obsoleto?

Atenção: não são apenas os mais novos que estão frustrados. Segundo dados do Instituto Unibanco em parceria com o IBGE, cerca de 1,3 milhão de jovens entre 15 e 17 anos abandonaram a escola em 2016. Além da evasão escolar, outros problemas surgem neste contexto. De acordo com dados do Indicador de Alfabetismo Funcional, apenas 8% dos brasileiros em idade de trabalhar são considerados plenamente capazes de entender e de se expressar por meio de letras e números.

Você também se questiona sobre a escola convencional? Seu filho foge da aula? Acredita que é preciso existir alguma alternativa mais interessante que a antiga hierarquia travestida de fórmula de báskara e de gramática eruditamente correta? Acompanhe 4 iniciativas de educação inovadora que podem revolucionar o sistema estudantil brasileiro. 4 iniciativas de educação inovadora que podem ajudar a revolucionar o sistema estudantil brasileiro  

 

1 – Quíron: educação para o protagonismo

No mês de maio, a Sociedade Global acompanhou a inauguração da nova sede da inovadora Quíron em Curitiba. Com o objetivo de construir um mundo melhor fomentando o protagonismo e o empoderamento das pessoas, a Quíron é uma entidade sem fins lucrativos liderada pelos ex-JPDs Daniel Dipp e Andréia Beraldo em conjunto com Fernando Granato e outros curitibanos inspiradores.  A ideia da instituição é despertar o potencial criativo, cidadão e protagonista de cada um através de projetos voltados aos alunos do Ensino Fundamental, Médio e universitários. Também há uma jornada de formação transformadora para professores voltada para mestres, autoridades públicas e gestores.

Pensar na educação não só como um espaço de ensino mas de incentivo e protagonismo  das pessoas é o que faz da Quíron um case de educação inovadora. Os projetos alcançam várias cidades do Brasil e escolas de toda a América Latina. Com a Quíron surgiu um respiro e uma inspiração para o sistema estudantil nacional.

Foto: Divulgação/ Quíron

Foto: Divulgação/ Quíron

 

2 – Escola Rural Dendê da Serra: desenvolvimento integral do ser humano

Criada em fevereiro de 2001 em Serra Grande (Bahia), a Dendê da Serra foi pensada para desenvolver a autonomia de cada estudante e fortalecer a democracia em comunidades de baixa renda. Esta escola rural inovadora é baseada na Pedagogia Waldorf, concepção de ser humano e de mundo desenvolvida pelo filósofo austríaco Rudolf Steiner (1861-1925) que foca no cultivo das potencialidades individuais. As aulas são focadas no espírito de comunidade, no respeito às particularidades e diversidades de cada criança e em processos de estudo que alimentam a criatividade.

   A escola vai do jardim de infância até o último ano do Ensino Fundamental. Nela a teoria e prática se consolidam: não há hierarquia de cargos e sim grupos de pais e professores que dividem responsabilidades coletivas. A associação tem parcerias com empresas, padrinhos sociais e outras iniciativas que ajudam a financiar a escola. Muito que se vê na Escola Rural Dendê da Serra poderia ser objeto de estudo para ajudar a revolucionar as escolas públicas brasileiras.

Foto: Divulgação / Facebook da escola.

Foto: Divulgação / Facebook da escola.

 

3 – Gaia Education: Design para Sustentabilidade

Quais são os segredos das ecovilas que possuem processos coletivos de educação e gestão tão bem sucedidos? Com dimensão mundial, o Programa Gaia Education une estes saberes em um curso transformador para adultos. Ele pode ser adaptado ao público infantil e assim inspirar a criação de novas metodologias de ensino.

  Sustentabilidade ambiental, impacto social, transformação e protagonismo são alguns dos tópicos estudados com profundidade no programa que dura quatro meses. Há quatro módulos que acompanham os quatro quesitos que um projeto de impacto deveria possuir: dimensão social, dimensão ecológica, dimensão econômica e visão de mundo. A ideia é que os participantes desenvolvam conhecimentos holísticos e assim possam atuar como designers da realidade, co-criando iniciativas que prezem pelo bem-comum e por uma vida com mais significado.

Fundado em 1987 na Dinamarca por Ross e Hildur Jackson, o Gaia Education é oferecido em mais de 30 países. O currículo tem o endosso intelectual da UNITAR (Instituto para Treinamento e Pesquisa das Nações Unidas). Além disso, é uma contribuição oficial à Década Internacional da Educação para o Desenvolvimento Sustentável da ONU (2005-2014).

Atuando em comunidades carentes na Índia, nos kibutz de Israel e em centros urbanos de vários lugares do mundo, o Gaia Education também acontece em Curitiba. O Instituto  Nhandecy, parceiro da Sociedade Global, fomenta a formação que completou 10 anos de implementação no Brasil.

Foto: Instituto Nhandecy.

Foto: Instituto Nhandecy.

 

4 – Ashoka: educação e empreendedorismo social

Ashoka é uma organização mundial sem fins lucrativos pioneira no campo da inovação social. Ela apoia pessoas com ideias criativas e inovadoras capazes de provocar transformações com amplo impacto social. Criada em 1980 pelo norte-americano Bill Drayton, a Ashoka cunhou o termo “empreendedorismo social” e o caracterizou como campo de trabalho. Seus primeiros focos de atuação foram Índia e Brasil. Atualmente, a Ashoka está presente em mais de 85 países. Todos os empreendedores sociais desta organização são eleitos por um rigoroso processo de busca e seleção com etapas nacionais e internacionais. Estes empreendedores são líderes no campo em que atuam, entre eles o da educação.

   Os empreendedores sociais de educação da Ashoka trabalham em times globais para descobrir e direcionar a maestria da empatia para crianças e jovens. Qual o grande diferencial deste case? Os membros da Ashoka estão influenciando políticas públicas para efetivamente realizarem mudanças que afetam o sistema educacional por inteiro.

Foto: Ashoka Brasil / divulgação

Foto: Ashoka Brasil / divulgação

 

Sim, existem várias soluções para a nossa educação

Já dizia o pensador Jean Piaget que o princípio da educação é  “criar homens que sejam criadores, inventores e descobridores”. Para que isso efetivamente aconteça, é preciso que se incentive novos formatos de educação. Vimos alguns cases que já são soluções reais para a nossa educação. Se você tem ideia de projetos ou vontade de fazer parte desta causa, venha conversar com a Sociedade Global que podemos indicar caminhos e ferramentas. Fazer parte de algo transformador dentro de sua comunidade, cidade ou país, pode ser um caminho para várias re (des) cobertas.

 

Tags:, , ,

Compartilhe este post nas redes sociais

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>